domingo, 22 de março de 2009

FEP Debating Society

Não sei se faz grande sentido falar em apadrinhamentos quando nós também ainda estamos a dar os primeiros passos. Mais do que afilhados, sobrinhos, filhos ou enteados, estes nossos colegas de Economia criaram uma sociedade de debates que será a nossa "irmã mais nova".


Mas isto lança a questão: para que servem afinal os irmãos mais velhos?
Para nos darem uma coça? Sim ...
Para gozarem connosco? Também ...
Eventualmente para nos ajudarem? Se tiver mesmo que ser ...

Na última quarta-feira fomos lá e mostramos como é que se faz. Infelizmente não há muita documentação, mas o debate exisitiu mesmo, e nós ganhámo-lo. Para mais informações vão ao blog do Clube de Debates da FEP.

As maiores felicidades aos nossos irmãos. Que eles nunca se esqueçam que por mais que cresçam serão sempre ... mais novos =).

11 comentários:

Luís Oliveira disse...

Saudações ao Ary e a todo o pessoal da SdD

Na verdade, o nosso blog da FEP ainda não está completo, falta-lhe o logotipo e umas edições gráficas. Seja como for, vai sendo feito.

Agora temos é de criar mais clubes destes pela Universidade do Porto fora...

Ary disse...

Também acho =)

Bárbara disse...

Espero que aquele debate tenha sido o primeiro de muitos entre FEP e FDUP. Foi mesmo muito divertido ;)

Daniela Ramalho disse...

eu nunca tive um irmão mais novo :') temos mesmo de levar a ideia a outros lugares da up e conseguir entre nós crescer e ficar cada vez mais capazes de chegar mais longe :P

Guilherme disse...

Também espero que seja o primeiro de muitos e que um dia, oxalá, a irmã mais nova dê um ar da sua graça.

É bom ver esta "irmandade" entre elementos de diferentes faculdades, pode ser que um dia toda a UP funcione, quiçá, da mesma forma.

Ary disse...

Há boas possibilidade de em Letras virmos a ter algo semelhante. Vamos ver. Pode ser que de toda esta centralização das coisas na Reitoria nasça algo de bom afinal.

Guilherme, esta "irmandade" é coisa que ainda vai existindo entre os estudantes, especialmente os da mesma Academia. Vai existindo particularmente quando as pessoas têm interesses comuns, sejam eles o associativismo estudantil, a Praxe, algo espírito empreendedor, vontade de fazer voluntariado, o escutismo, uma religião, gosto pela música, pelo teatro ...

Conheço tantos, tantos grupos de pessoas de Faculdades diferentes que se juntam por alguma coisa ...

Economia desde há um tempos a esta parte (que já vão longos ...) não tem aproveitado a 100% este mesmo espírito de "irmandade". Consigo compreender porquê: vocês são bons, o aluno médio da FEP é bastante mais interessante que o aluno médio da Academia do Porto, conseguem muita coisa sozinhos, têm dimensão suficiente para serem autónomos em muitas coisas e não se aborrecerem pelo facto de o fazerem sozinhos.

Acho que não vamos ser nós a quebrar anos de gelo nas relações entre a FEP e o resto do mundo, mas talvez daqui a alguns anos alguém encontre este comentário e não faça a mínima ideia do que eu estou a falar. E isso será uma vitória.

Vasco PS disse...

Tens muita razão, Ary. Espero mesmo que um dia ninguém saiba do que estás a falar. Mas quando será que as coisas mudam?

Sérgio Ferreira (FEP) disse...

As relações entre a FEP e o dito "resto do mundo", presumo que seja a FAP, irá melhorar quando certas pessoas tiverem carácter.

Nós nos auto-excluímos da academia porque tinhamos as nossas razões, não porque temos a mania que somos melhores e conseguimos tudo sem as restantes faculdades.

Não sei se posso falar dessas razões (apesar de serem do conhecimento de quem é mais próximo, ou da fep ou da flup [sim porque eles também se auto excluiram pelas mesmas razões, mas recuaram quando mudaram de Dux] ou do conselho de veteranos) assim que souber se posso falar disso abertamente, tenho o maior prazer em explicar o porque desta "isolação".

Tentando não adiantar, digo que a FEP teria o maior prazer em dizer que pertence à academia, e não seria preciso muito para tal acontecer... pena certas pessoas não se revelarem o que representam pra todos os praxistas da UP.

Sei que somos bons em algumas coisas, fazemos festas incríveis, serenatas em que o que se ouve é choros de saudade e não berros de alcool e onde apenas se vê preto e não colarinhos nem punhos e até mesmo camisas inteiras (entenda-se o subentendido), enfim até hoje só posso reclamar de bolonha e do cinzento da minha mui nobre faculdade, apesar de já não a imaginar doutra forma... histórias à parte...

Temos perfeita noção de que ao partilhar o espírito de economia com todas as faculdades e, da mesma forma, ao aprender e ao conviver com vocês cresceriamos mais, quer como praxistas, quer como estudantes universitários desta bela cidade.

Desculpem a invasão, mas tinha que vir defender o vermelho e branco. Pois fico triste ao ver que grande parte das pessoas nos julga sem saber os porquês ou os verdadeiros porquês.

Saudações académicas

Ary disse...

Sérgio, conheço apenas muito por alto essas razões, mas não me parece que tenha sido ofensivo ou incompreensivo em alguma parte. Pelo contrário, acho que falei da FEP de forma simpática e sincera.

Não poderei interpretar o que fizeste como uma invasão porque este é um espaço público, porque todos são bem-vindos e porque sendo da FEP nem se quer "vens de paraquedas", estás inserido num certo contexto que nos é familiar.

Sérgio Ferreira (FEP) disse...

Não tomei o que disseste como ofensivo, meramente quis tentar explicar o porque de tal situação.

Pois muitos amigos meus que não são da FEP, e até alguns distraidos da FEP, não entendem as razões porque estamos fora da academia e como tal tiram pressupostos do género: não de um grupo fixe, logo é porque se acham melhores. Não estou a dizer que o fizeste, mas como já ouço isso quase desde que entrei lá, decidi dar umas luzes.

Já agora gostei muito do debate de quarta, sei que vocês não lhe deram a sério, mas mesmo assim foi interessante. Vou tentar fazer da nossa Debating Society algo regular na minha rotina. E de vez em quando passar pela vossa para mandar uns bitaites :D
Vem preencher um espaço necessário na nossa formação a meu ver, quer como advogados quer como economistas/gestores.

Saudações

Hugo Oliveira disse...

Quer como pessoas!

Enviar um comentário