quarta-feira, 9 de julho de 2008

fonte: muriasjuridico.home.sapo.pt

Pedro Murias é professor da FDUL e tem este belo blogue. Vale a pena por ele passar. Até porque o tipo tem muitas vezes bastante piada. Cá vai umas "verdades" do sujeito:


Ver­dades Fun­da­men­tais do Direito Privado


Ver­dades meto­do­ló­gicas:
1 Contradizer os romanos dá azar.
2 O código civil não é fonte do direito.
3 Três palavras de correcção do legislador e todas as más bibliotecas se transformam em papel de embrulho.
4 A boa juris­pru­dên­cia vincula.
5 Perde a alma quem legisle.
6 Não há regras muito injuntivas, nem regras excep­cio­nais no Código Civil.
Ver­dades dog­má­ticas:
7 A posse é a pro­prie­dade sem tretas.
8 A respon­sa­bi­li­dade civil nunca depende de culpa.
9 O contrato esgota­‑se num momento.
10 O enri­que­ci­mento sem causa aplica-se à bruta.
11 O sinalagma explica metade dos casos.
12 Quase ninguém confia, mas pode confiar­‑se na palavra dada.
13 Até as asso­cia­ções sem perso­na­li­dade jurídica a têm.
14 O direito comercial é só uma desculpa.
Ver­dades geográficas:
15 Savigny morreu, Jhering tam­bém, até ver.
16 O direito inglês parece diferente do nosso.
17 O italiano é alemão com sotaque francês.
18 Não há direito em França.
Ver­dades interdisciplinares:
19 O direito não é eco­no­mia.
20 O admi­nis­tra­tivo nem sempre é direito especial.
21 O fiscal prejudica.
22 O penal atípico ajuda.

5 comentários:

tiago ramalho disse...

(também do site - e não blogue, como pu no post- mas mais a sério, um parecer sobre o casamento entre homossexuais http://muriasjuridico.no.sapo.pt/PMuriasParecerCPMS.pdf)

tiago ramalho disse...

como pus, e nao como pu.

tiago ramalho disse...

Porque, de facto, tem piada, não resisto. Faço um link para as importantes ideias do autor sobre o ser e a existência:

http://muriasjuridico.no.sapo.pt/Ideias.htm

Tiago(gmr) disse...

Gostei especialmente daquela das bibliotecas...
Cada vez mais me convenço que certos diplomas legislativos são como os computadores: quando finalmente começamos a aprender a trabalhar com eles e a aproveitar todas as suas potencialidades, sai um novo modelo com muito mais software, mais rápido e com um disco rígido melhor que o nosso.
E, tal como as leis, não raras vezes é preferível continuar com um Windows XP do que instalar o novo Vista :P

Pedro Ary Ferreira da Cunha disse...
Este comentário foi removido pelo autor.

Enviar um comentário