terça-feira, 9 de setembro de 2008

OMFG!

caiu o Capitalismo e as teorias baseadas no funcionamento do mercado, e consequentemente, o Liberalismo por inteiro!

10 comentários:

Pedro Ary Ferreira da Cunha disse...

Lol ainda hoje eu e o Francisco falavamos disso.

Se calhar podias explicar um bocadinho mais a tua posição sobre o assunto Manuel...

Canoas... o... mercenario disse...

Manel sabes... o capitalismo selvagem nunca foi nem nunca sera a soluçao.
Se o governo norte americano nacionalizou foi porque era um sector k poderia entrar numa crise ainda maior se nao tivesse ajuda. Essa crise poderia levar milhares de americanos a uma situaçao extremamente precaria.
É ou nao funçao do estado a defesa dos seus cidadaos. O estado como garante da segurança. Ainda k neo liberal o estado americano nao é LIberal como no seculo XIX. Ninguem quer uma nova crise que afunde as economias mundiais. Se o estado norte americano nao tivesse intervido entao a crise poderia criar uma crise no consumo e portanto destruir a base da economia norte americana... que so por si actualemente nao esta famosa.

Um passo bom... E surpreendente na administraçao bush! MAs depois de tantos atras... ja vai longe pa recuperar

manuel disse...

Ary, boa noite :)

acho que é um óbvio exagero. acho que isto não prova o que os jornalistas dizem. vou tentar desenvolver um raciocínio claro o suficiente sobre o que eu sei da falência destes dois bancos:
1. foram criados, pelo menos o Fannie Mae (puto de nome para um banco) no tempo do New Deal, e privatizados em 1968 ou 70. no entanto, essa privatização teve contornos especiais (digamos que, muito resumido, o Estado lá tratava das coisas caso tudo corresse mal).
o problema do fannie mae e do freddie (chiça penico, isto é mesmo nome de banco?) foi falta de fiscalização, e puro jogo com as economias de outras pessoas.
no final, as coisas correram muito bem. os antigos donos mantêm-se "temporariamente", o Estado gasta mais de 10 mil milhões de dólares (e não 10 biliões) para aparar a queda dos meninos banqueiros, que são Ultra-liberais quando toca a enriquecer, e Socialistas Científicos quando as coisas dão para o torto. se a certeza de apoio estadual não estivesse por detrás de toda esta fantástica operação que vai enriquecer quem usou o dinheiro do Estado americano, isto talvez não aconteceria. e se acontecesse... bem, o risco tem de ser aceitado, e ir à falência é sempre um risco...

manuel disse...

Canotilho,

eu odeio essa expressão de "neo-liberal". eu gostava de pensar como pensa um neo-liberal. eu não sou um neo-liberal.
a própria ideia de estado como garante de segurança não é assim tão século XX, acredita que a ideia de aplicação de subsídios já vem do século XIX. acredita que o proteccionismo (o único grande inimigo do liberalismo) já vem(antes até) do século XIX. os estados que entraram na I Guerra Mundial não tinham políticas económicas assim tão liberais. eram proteccionistas. isto é história.
é claro que a crise teria sido terrível canotilho. e daqui a 20 anos, quando o banco já tiver reprivatizado, isto vai acontecer outra vez.
chama-se a isso subserviência. eu penso que isto é a prova que os EUA é mais social-democrata que nós costumamos pensar. o banco tinha as costas quentes para declarar falência.
é um passo bom? não havia hipótese. era isso ou deixar os bancos ir abaixo. e depois perder eleitorado para os republicanos. bush não é surpreendente. é muito pouco imprevisivel até.

manuel disse...

atenção, uma correcção:
os estados que entraram na I Guerra Mundial eram todos proteccionistas excepto, em contornos gerais mas importantes, um só.
Os EUA.

Canotilho disse...

"os estados que entraram na I Guerra Mundial não tinham políticas económicas assim tão liberais. eram proteccionistas."

Isso nao implica que tivessem o minimo de politica social coisa que os states tem... ainda k mt basica

manuel disse...

pois...talvez isso seja um mito pouco sustentável. em proporção a Portugal, o investimento público feito pelo Estado Federal é maior.
e sim, é claro que não tinham políticas sociais minimamente ligadas ao modelo actual ou pós-segunda guerra.

Pedro Ary Ferreira da Cunha disse...

"eu gostava de pensar como pensa um neo-liberal"? Espero não ter percebido.

Não era este o prisma por que eu discutiria a questão, mas acho a tua posição ... vá ... moderada. Se percebi bem o que tu dizes é no fundo: "decidam-se, pá!"

Acho que a História está sempre a tentar ensinar-nos alguma coisa e nós sempre a julgarmos que a podemos fintar de alguma maneira. Quantas vezes já nos provou ela que o Estado é o único agente económico capaz de "curar" economias em tempos de crise e o único que, isoladamente, consegue evitar que estas fiquem doentes? Pelo mundo todo eu devo lembrar-me de pelo umas dez histórias, só no século XX, cuja moral é precisamente essa.

Por último o meu apelo a todos aqueles para quem podemos olhar para o que dizer e não olhar para o que fazem, ou olhar para o que fazem, mas não para o que dizem: "Decidam-se, pá!" Mas decidam-se por uma teoria económica que leva a menos crises, menos desemprego mais desenvolvimento e mais crescimento económico sustentado. [aka keynesianismo, ou melhor, neo-keynesianismo]

manuel disse...

não ary, de facto ouviste bem.
eu gostava muito de ter a certeza do que é um neo-liberal.
Se Margaret Tatcher e Ronald Reagan são "neo-liberais", George Bush também é?
o que é uma política neo-liberal? o que eu vi, até agora, no "reinado" de George Bush foi corporativismo, foi favorecimento das grandes indústrias, foi monopólios e nacionalizações, foi Patriot Acts.
o que eu vi em Margaret Tatcher foi a retirada do Estado tanto da ajuda a empresas públicas como privadas, foi anti-corporativismo, foi a descida da produção, etc e etc...
a unica coisa que assemelha Reagan a Bush é o crescimento repentino do orçamento militar.
de facto, se calhar até suspeito que sei o que é neoliberalismo. é tudo o que é mau e desagradável? será que, para mim, sopa de feijão é neoliberalismo?

eu de facto estou a dizer-lhes para se decidirem. mas antes disso, estou a dizer-lhes para optarem por arcar com as consequências das suas decisões.

Pedro Ary Ferreira da Cunha disse...

Já percebi. Partilho as tuas preocupações terminolígicas e posso tentar esboçar algumas definições. Para dizer a verdade eu não acho que nem Bush, nem Reagan, nem Tatcher sejam neo-liberais. Mas isso também tem a ver com a minha visão da coisa...

Enviar um comentário