sábado, 3 de janeiro de 2009

violações ao direito de auto-determinação dos povos


11 comentários:

Francisco disse...

Caros amigos, vamos todos dar vivas: viva a parcialidade! Viva a vista curta! Viva a falta de acuidade! Viva a visão não-perfiférica! Viva!

Pedro Ary Ferreira da Cunha disse...

Franscisco,

podes ter razão, eu acho que sim, mas também te podes rir, vá sorrir, com uma coisa que tem [alguma] piada.

Francisco disse...

Ary, Manel, e demais,

Não tomem cada opinião mais viva (por falar em "vivas") que eu expresso como se de uma zanga mal-disposta se tratasse (foi com essa ideia que fiquei quando falei com a Daniela sobre o meu comentário). O meu comentário nada tem de "mal-disposto". É a minha opinião sobre o post aqui deixado. É por estas e por outras que algumas coisas deviam ser conversadas in loco e não virtualmente. Mas isso são contas de outro rosário.
Resumindo: o meu comentário não pretende ser, nem é, ofensivo. Mas é a opinião que em mim desprtou depois deste cartoon. Só isso.

Um abraço deste que vos sorri :)

Manuel disse...

francisco, eu não tenho grande historial de me ofender facilmente (penso eu) portanto fica descansado.
no entanto, em sinal de apaziguamento, de facto também acho que tenhas razão pá. mas é que... é um cartoon, não é? é um exagero da realidade, é uma constatação pouco profunda, é uma visão dos factos nada académica das coisas... é, de facto, uma visão parcial. mas de imparcialidade o inferno está cheio.

Hugo disse...

...concordo com o Noronha...como concorda o Ary ou o Manel e qualquer ser minimamente razoável nesta questão...

A impressão, porém, com que vou ficando é que a razoabilidade não abunda neste campo...

Nesta questão, continuo a achar que uma grande fatia do nosso substracto opinador(o português médio, sem aprofundados conhecimentos políticos e culturais), não tendo esta visão "cartoonizada" e, pleonasticamente, hiperbolizada, acredita que este cartoon não anda muito longe da realidade...

Ainda é um mundo descrito pelos contos de fadas (ou de terror)...

Alguém aqui acha que este cartoon não representa os mais intímos estereótipos de muito boa gente? Por acaso já repararam que a censura social e a leviandade de opinião é bem diferente acerca de um palestiniano ou de um angolano?

O racismo e o preconceito faz-se por modas sem se perceber que é só uma unidade de sentido...

No entanto...Esta casa defende que a cultura e mentalidade muçulmana é inatacável?

Pedro Ary Ferreira da Cunha disse...

A minha casa certamente tem muita coisa a apontar aos muçulmanos ...

Pedro Ary Ferreira da Cunha disse...

Ah, quanto à questão do Noronha, tudo ok. Como aliás sempre esteve ...

Francisco disse...

Duas observações:

a. Manel, quando falo em parcialidade e falta de acuidade, não estou a adjectivar o cartoon. Suponho que quando o publicitas aqui é porque, de alguma forma, te identificas com ele (e eu sei que sim porque já discutimos a questão). Por isso, a crítica que fiz não foi ao objecto. É evidente que qualquer cartoon é caricatura de uma situação. A crítica que fiz foi a quem aqui pôs a imagem por de alguma forma se rever na mensagem (por mais caricaturada que ela esteja). E portanto, não penso ser pelo facto de por "imparcialidade estar o inferno cheio" que devemos ser perigosamente... parciais. Parece-me inteligente esta posição, mas é só a minha opinião.

b. A minha casa tem muito a apontar aos muçulmanos, como aos católicos, aos hindus, aos taoístas e por aí fora. Aos ocidentais, aos orientais e aos meridianos. Aos brancos, pretos e cinzentos. E ainda bem que assim é!

Um abraço.

Manuel disse...

fico surpreendido com as afirmações e que se fazem para um cartoon como este.
a tal falta de acuidade e imparcialidade, penso já ter tentado explicar. é um cartoon, não um estudo académico.
mas, pelas reacções, revela muito sobre as nossas próprias "parcialidades". é que o cartoon, pelo que eu vejo, não peca sequer pela parcialidade para o lado israelita! o cartoon admite que ocorrem baixas civis nos conflitos do médio oriente causados pelos israelitas. é o facto de ser um homem com um chaéu a dizer "Hamas" afirmar que é o seu trabalho causar essas baixas? eu penso que sim. só prova que nesta nossa sociedade tão parcial, já nem vale a pena tentar ser pró-isaelita (o que eu acho que é algo reprovável, em certas asserções da palavra). só o facto de não se ser pró-palestiniano já chega para causar o cabo dos diabos.

esta casa acredita que um cartoon pró-palestiniano não tinha tido as mesmas reacções. e acredita piamente.

Manuel disse...

aliás hugo, eu tenho a opinião contrária a ti no que toca à mentalidade do português comum.
da mesma maneira que as capitais europeias se desfazem em protestos em abono daqueles que, caso governassem nessas mesmas capitais, não admitiriam tão pacificamente protestos do género, eu sei que em Portugal, se não uma grande maioria, mas a maioria da informação e opinião intelectual lida pela população é bastante desculpabilizadora para com o fanatismo islâmico e a jihad. se bem que atrasado em relação à europa, não tarda e teremos as mesmas demonstrações anti-semiticas.

Francisco disse...

Não, não é nada disso de que se está a discutir. Ninguém falou em "prós" e "contras". Felizmente há quem não viva fechado num mundo de barricadas "pró" e "contra".

Enviar um comentário