domingo, 12 de julho de 2009

Ando meio alheado do mundo e cheguei a esta informação pelo Odisseia. Procurei a notícia, a confirmar, e está contida, por exemplo, aqui. Transcrevo o primeiro parágrafo:
"A pianista Maria João Pires vai renunciar à nacionalidade portuguesa, tornando-se aos 65 anos cidadã brasileira. A notícia é avançada pela Antena 2 da RDP, que adianta que a pianista se fartou “dos coices e pontapés que tem recebido do Governo português"."
Independentemente da qualidade ou falta dela nos projectos de Maria João Pires (não me interessa), tenho pena que renuncie à nacionalidade portuguesa por problemas com...o governo. Pode haver muito idilismo da minha parte, mas continuo a achar que Portugal é um bocado mais do que isso. Talvez aqui me favoreça das aulas de Direito Administrativo onde, logo ao início, distinguimos o Estado enquanto pessoa colectiva por excelência (Administração Directa) do Estado enquanto comunidade política organizada. Sempre preferi esta segunda acepção, afinal, a única que reflecte o Estado enquanto qualquer coisa que permanece além dos ciclos eleitorais.
Como português, tenho pena que uma portuguesa deixe de o ser por receber coices e pontapés do Governo. Valham-nos os que não renunciam. Como Torga (que recebeu riscos azuis nos seus livros e estadias em calabouços).
*isto para dizer: não vejo coragem nem louvo o acto; e só o comento porque publicizado.

39 comentários:

MJ disse...

Tiago: penso que esta é versao jornalístico/sensacionalista da história, contada por pessoas próximas da pianista e rapidamente desmentida pelo advogado da mesma. De facto, Maria João Pires vive no Brasil desde 2006, onde diz ter "a sua vida organizada", e por isso mesmo, pondera pedir a dupla nacionalidade, algo que é bastante usual neste tipo de casos.

Cá para mim, assustou-se com o coro de críticas que choveu depois de se especular que iria renunciar à nacionalidade lusa por "Portugal ser um país que me faz sofrer e nunca me frutos pelo meu trabalho", referindo-se ao seu insucesso com a Associação de Belgais. Apressou-se pois rapidamente a pôr água na fervura, e agora já só vai "pedir dupla nacionalidade"... Especula-se também que por terras brasileiras pretende dedicar-se ao negócio da hotelaria. É pena, e espero que assim não seja. Por cá, espero a sua visita em Outubro à Casa da Música (se entretanto não for cancelada...).

Beijinhos

Vlad the Impaler disse...

Ela que renuncie à nacionalidade portuguesa se quiser.
Parvo seria o que vertesse uma lágrima por causa de tal drama.

Tiago Ramalho disse...

MJ, diz isto no artigo "Maria João Pires, que tinha dupla nacionalidade, decidiu agora ficar apenas com a brasileira."
Contudo, se for erro jornalístico, tudo muda de figurino..

Tiago Ramalho disse...

MJ, diz isto no artigo "Maria João Pires, que tinha dupla nacionalidade, decidiu agora ficar apenas com a brasileira."
Contudo, se for erro jornalístico, tudo muda de figurino..

Guilherme Silva disse...

Na semana em que inúmeros portugueses se declararam envergonhados e embaraçados por toda a RonaldoMania, os milhões de € que lhe pagam, e todos os flashes à volta deste craque, sinto-me obrigado a admitir que tenho orgulho em partilhar a nacionalidade com aquele moço imberbe e com mau gosto para roupa.
Não interessa se alguém leva o nome do nosso país além fronteiras com fintas e remates, ou com notas musicais ou lindos sonetos.
Abandonar a nacionalidade apenas porque o Estado não nos concede as benesses desejadas é ridículo e digno da mais narcisa prima donna.
Por mais que me tentem, tenho orgulho em ser português como Ronaldo, e português como Maria João Pires foi.

Tiago Ramalho disse...

Só uma coisa: sendo o que contas posterior ao artigo, muito muda, mas não tudo.
O meu ponto central não é MJ Pires, mas a relação entre o Governo e "Portugal".

Guilherme Silva disse...

e mais,
num momento em que milhões e milhões em todo o mundo dariam a perna direita (sim, literalmente) para terem a sorte de lhes ver concedida a nacionalidade deste pequeno pais deitado sobre o oceano, acho grosseiro e obsceno que uma qualquer figura do mundo cultural português se prontifique a abandona-la por tais razões.

Tiago Ramalho disse...

Eu concordo Guilherme. Embora não goste do mediatismo à volta do Ronaldo - como não gosto, afinal, da maior parte dos "mediatismos" (como a obamania) - fico muito feliz que um Português seja o melhor da bola, ou esteja no top dos melhores jogadores.

(Só outro ponto: não me importo minimamente com mudanças de nacionalidades. O problema é, apenas, a ratio )

Canoas o mercenário disse...

Pah o saramago foi para lanzarote porque o cromo do Cavaco censurou o livro "envagelho segundo jesus cristo". Esse caso acho que teve razão, mas ele nunca renunciou a nacionalidade. Simplesmente mandou o governo à merda.

A maria joão pires é mais um caso de sensacionalismo jornalistico vs verdade. por isso antes de saber a historia toda nao me pronuncio.

ps: guilhas eu nao me sinto orgulhoso de partilhar a nacionalidade com aquele gajo. Um gajo Broeiro, que nao diz duas frases conexas sem o mitico "ach' qa" e so sabe dar pontapes na bola.

Guilherme Silva disse...

E mais uma,
em tempos, quando os portugueses de facto podiam ter tido relevantes razões para ter vergonha de o ser, muitos foram os que fugiram, exilaram-se, mudaram de país, contudo sem nunca renunciar a essa dádiva (sim, dádiva) de ser português.
Quem não gosta do estado das coisas, pode sair, mas não deve abandonar. Fica e luta para mudar.

Guilherme Silva disse...

"Broeiro" também é o senhor que me vende o pão, o dono da casa de fados, o dono do café em Pinhel a que fomos,e a Padeira de Aljubarrota...
No entanto tenho imenso orgulho em à noite me deitar no mesmo país que eles.

Guilherme Silva disse...

E mais uma,
no fundo, ser português é ser um marinheiro broeiro, valente, bruto e destemido.

Tiago Ramalho disse...

O meu ponto, já referi, é a razão. Não me choca que se vá para o "exílio", que se mude de nacionalidade, o que seja. Tenho pena é que Portugal seja identificado com o governo.
Canotilho, tu ainda não sabes a história toda, mas já sabes que a MJ Pires é caso de sensacionalismo jornalístico versus verdade :P

Quanto ao Cristiano Ronaldo, soa-me a preconceito - de resto, muito comum - do primado absoluto do intelectual sobre o físico. Independentemente de falar melhor ou pior é um excelente atleta. Ao invés, muitos escritores, porventura, seriam cómicos a darem pontapés na bola ou a correr.
Porque raio tem o Cristiano Ronaldo de ser modelar? Só mesmo para quem ande à procura de deuses na terra.

Guilherme Silva disse...

E outra,
Ontem vi algo num alfarrabista que me deixou verdadeiramente feliz, orgulhoso, e com vontade de o adquirir.
Vi na montra um imenso livro, bem encadernado, bonita capa, que tratava não as fabulosas obras da música de câmara portuguesa, tão pouco a Arte Contemporânea em Portugal, ou muito menos "a arte de não ser broeiro", segundo Duarte Canotilho.
O titulo era "as mais belas e recônditas aldeias portuguesas".
Isso sim, é português. Rude, banal, trivial talvez, mas português.

Guilherme Silva disse...

por fim Canotilho,
O Cristiano Ronaldo é tão broeiro como muitos dos meus amigos de infância e de agora.
A não ser que tenhas sido criado numa imensa mansão da margem esquerda do Sena, deves saber bem do que falo.

Daniela Ramalho disse...

o guilherme é uma pessoa bastante perturbada e não é por isso que eu vou renunciar à nacionalidade portuguesa :P se todos os músicos que em portugal levam pontapés no rabo à custa dos governos portugueses, renunciassem à sua nacionalidade, neste momento não teríamos músicos em portugal, basicamente. se ela vai ou não renunciar à sua nacionalidade, who cares? perdoem-me... mas este assunto é daquelas coisas que não me despertam absolutamente nada. embora seja feio o tratamento dado a todos os verdadeiros artistas em portugal, enquanto que os fabricados são levados ao colo.

quanto ao cristiano ronaldo, é bastante absurdo toda a publicidade em volta dele, tal como é todo o tipo de publicidade excessiva com qualquer coisa que seja.

por fim... entre ronaldo e mourinho, tenho bastante mais orgulho no segundo!!! muhahahahahah

MJ disse...

Tiago, eu percebi o ponto do teu post, e concordo plenamente. Contigo também aliás, guilherme. Quis dar foi a minha visão das coisas e uma correcção do que anda por aí a correr. É falso que MJPires tenha dupla nacionalidade e queira renunciar à portuguesa, segundo várias fontes que consegui apurar. Ela vive no Brasil com uma autorização de residência, e quer apenas adquirir essa mesma dupla nacionalidade - que ainda não tem.
Mais um exemplo do péssimo jornalismo que se vai praticando por aí...

Manuel Pinto de Rezende disse...

tiago, vi a noticia original no jornal i, e mais tarde, no mesmo jornal, o advogado da MJP veio negar a notícia.

aparentemente, a artista queixava-se não da falta de atenção ou prodigalidade dos subsídios governamentais, mas pelos simples facto de, mais uma vez, o Governo falhar para com os compromissos com a Cultura. MJP tinha um bom projecto ligado à música na aldeia de Belgais, e o Estado não cumpriu a sua parte.

a posta que leste no Odisseia fica, assim, em águas de bacalhau.

"E mais uma,
no fundo, ser português é ser um marinheiro broeiro, valente, bruto e destemido."

brilhante. destas, só não sou marinheiro. e broeiro. e valente. e até podia tentar, mas nao ia ter muito sucesso como bruto.

Guilherme Silva disse...

Olha que és

Guilherme Silva disse...

Só não o sabes.

Guilherme Silva disse...

:D

Ary disse...

Pelos visto o nosso jornalismo está ainda pior do que pensava, mas a ser verdade a notícia tenho pena. Não vou "verter uma lágrima", mas quando alguém se entristece com o país que o viu nascer ao ponto de pensar em cortar os laços que com ele tem eu não posso deixar de ficar triste e até um bocadinho envergonhado.

Claro que o grande "culpado" é o Governo, ou melhor, são os sucessivos governos, a é do governo porque ninguém mais esteva em condições e/ou achava interessante financiar um projecto dispendioso como o de Belgais. Por isso a desilução de MJP não é só com o Governo, mas com todo um país que não a apoiou quando durante décadas ela procurou erguer e consolidar um projecto com qualidade.

Não sei, Guilherme, se serão tiques de "prima donna". MJP foi uma activista musical, uma artista e uma gestora que investiu, mais não seja emocionalmente, num projecto em que acreditava de corpo e alma. Anos e anos de trabalho diário deixam marcas e quando fizemos tudo o que era possível e um projecto falha por culpa de terceiros o mais humano é haver uma reacção irracional, é haver confusão entre as pessoas responsáveis. Estado? Governo? Ministro? Funcionário que não meteu o carimbo? Portugal? Deus? O mundo? Pouca importa.

Guilherme, espero que ser português não seja isso, ou pelo menos não seja só isso.

Francisco disse...

Guilherme,

Um apontamento quanto ao Cristiano Ronaldo, uma vez que eu fui autor do post "pois".
Eu não partilho da inveja que meio Portugal nutre por vêr um jovem da terra a fazer fortuna. De todo.
Podia ser o Cristiano Ronaldo ou outro jogador de futebol profissional qualquer de outro país qualquer, num clube qualquer, com uma transferência por uma soma qualquer. Não é por ser o Cristiano Ronaldo, nem por ser o futebol e não a literatura ou a música.
O meu "pois" é para com o aparato absolutamente absurdo que é feito à volta de um indivíduo e com a cobertura jornalística grotesca que é feita in loco de um gesto, de um olhar, de um aceno, etc. Isto durante horas e horas a entrar-nos pelas nossas salas. Exactamente o mesmo absurdo que a que se assiste nas coberturas mediáticas de acontecimentos tão diversos - pense-se só período noticioso aquando da morte da Princesa Diana.

Portanto, tudo tudo tudo para o Cristiano Ronaldo, menos o cenário que é montado à sua volta e que, inclusive, o ridiculariza.

P.S. - Eu até sou dos poucos que continuam a dizer que o Cristiano Ronaldo é melhor que o Messi.

Guilherme Silva disse...

Ary, continuo sem perceber a decisão dela (se é que afinal essa decisão se confirma).Se são esses os seus fundamentos, que vote noutros que não os que estão no poder. Ou deixe de votar...

Noronha, compreendo-te bem. Também achei excessiva a atenção dada ao caso. Aliás, foram duas semanas estúpidas, com a morte de Michael Jackson e a contratação do craque. Sinceramente não sei o que roçou mais o absurdo.

Guilherme Silva disse...

Sei sei. Roçaram os dois.

Guilherme Silva disse...

E carrego no link que o Tiago cedeu e leio no topo do site do Público (sim, o Público, não o 24horas) "Estilo:
Cristiano Ronaldo é totalmente Brüno".
...

Guilherme Silva disse...

Mas sim, ando algo nervoso....

Guilherme Silva disse...

Não tenho dormido bem.
Tenho pesadelos em que me vejo velhinho, a viver num apartamento mal-mobilado, com vista para alguma coisa pouco interessante, com um quarto de banho pequenino em azulejo, com aqueles suportes para sabonete com iman, em que os sabonetes têm pequenos discos de metal incorporados para que se prendam ao suporte magnético. Muito anos 90.
Terrivel...

Manuel Pinto de Rezende disse...

essa é a minha casa, guilheme...

magoaste-me

Guilherme Silva disse...

Oh Manel, mas contigo lá dentro já seria uma ricura.

canoas_o_Mercenário disse...

Manual para ser broeiro. Não está mal. Ei de pedir ao ronaldo para o escrever. :P

Pah tenho de ser sincero. Nao gosto do homem, nem de tudo o que ele representa. Tipo o Mourinho tou na boa com ele... e é tao famoso como o ronaldo, simplesmente nao tem aquele je ne sais quoi que o ronaldo tem, e que me irrita.
(e sim acho que o ronaldo tem um caso grave de PDM, mas quando vai a selecção... Bom nessa altura vê-se)

"Canotilho, tu ainda não sabes a história toda, mas já sabes que a MJ Pires é caso de sensacionalismo jornalístico versus verdade :P"

Bem apanhada.. nao tinha notado na incoerencia. queria dizer que me parecia sensionalismo vs verdade :)

canoas_o_Mercenário disse...

Ó michael jackson morreu????



Pois ja nao me lembrava, mas a verdade é que a televisão PUBLICA!!!!! no dia a seguir a morte no TELEJORNAL deu 45 minutos de michael jackson, e um quarto de hora rapido sobre outras noticias, nas quais nao incluiu a possivel compra da TVI pela PT.....

Mmmmmmm.... Mas não ha de ser nada

canoas_o_Mercenário disse...

"O titulo era "as mais belas e recônditas aldeias portuguesas".
Isso sim, é português. Rude, banal, trivial talvez, mas português."

E depois?? Eu tb o comprava. Mas esse livro nao representa uma industria multimilionaria onde se conglomeram interesses da pior especie, e corrupção (passo o pleonasmo) e trafico de influencias and so on. O ronaldo actualmente representa isso tudo, e tambem o novo riquismo com o absurdo de um gajo que nunca teve nada, de repente tem tudo, e estoira tudo. (numa altura de profunda crise) (pah mas posso ser so eu a sentir me revoltado)

MAs quem diz ronaldo diz tambem kimi raikonnen que é o atleta mais bem pago do mundo. (ainda que eu compreenda que seja mais bem pago, pois ta sujeito a morrer muito mais facilmente, e esta sujeito a forças ate 5/6 G.) Não é que eu concorde. Mas também a formula 1 é um desporto de muitos milhares de milhoes. E na F1 nao vai la quem quer, é quem pode.

canoas_o_Mercenário disse...

Sabonetes com imans??? Ok nunca vi nada assim.

Guilhas, se calhar entraste na Twilight ZOne. (where normal things dont hapen very often)

(ou se calhar fui eu, e por isso é que o ronaldo e o micheal jackson dominam a TV) :P

Marta Lima disse...

Vi no inicio do ano na Dois um programa dedicado à vida e obra da Maria João Pires e já naquela altura ela demonstrava uma imensa amargura em relação à sistemática falta de respeito com que o seu trabalho era tratado, não apenas pelo Governo, como pelo povo português na generalidade.
Aliás, ha mesmo uma parte do 'documentario' em que ela se admite triste por ter obtido sempre maior reconhecimento no estrangeiro do que na pátria a que andava a engrandecer o nome pelos quatro cantos do mundo e sempre a tratara com ingratidão.
E embora ela fizesse questão de salientar que estava no Brasil e saíra de Portugal porque este nunca fora um país que a acolhera, não era de notar que pretendesse desvincular-se completamente.
Não vejo, no entanto, como futil ou snob que uma artista avaliada com a nota máxima no Conservatório (e "diz que" isso é quase inatingivel...) se sinta indignada quando, no seu país, veja as suas vendas superadas pelas da Ana Malhoa... Portanto se ela entender que deixar de ser portuguesa é uma forma de protesto contra este sistema, porquê tanta objecção e censura?
Não é que deixe de ser um acto exagerado, até porque de um país que apenas parece atribuir valor a pessoas incapazes de pronunciar palavras com mais de 3 sílabas, seria mais sensato encarar esta indiferença mais como um elogio do que como uma afronta...

Ary disse...

Eu acho que também vi esse documentário, Marta.

Já agora uma coisa interessante. Se ela quiser deixar de ter cidadania portuguesa está simplesmente a desvincular-se do Estado português e não de Portugal, que é ou tem esse "algo mais", de que falava o Tiago. Ela continuará a ser portuguesa mesmo não tendo passaporte português.

Ferreira Ribeiro disse...

Canotilho,

"Mas também a formula 1 é um desporto de muitos milhares de milhoes. E na F1 nao vai la quem quer, é quem pode."

E no futebol vai quem quer? Olha que eu não me importava nada de ter enveredado por uma carreira futebolística. Mas o engenho e a arte não me ajudaram.

"Pah tenho de ser sincero. Nao gosto do homem, nem de tudo o que ele representa. Tipo o Mourinho tou na boa com ele... e é tao famoso como o ronaldo, simplesmente nao tem aquele je ne sais quoi que o ronaldo tem, e que me irrita."

Usar "pah" e "tipo" no início de cada frase, montes de reticências, pontos de exclamação e interrogação e palavras inteiramente escritas em maiúsculas a cada comentário, escrever "tá" em vez de "está", não iniciar nomes próprios com maiúscula e não colocar acentos em nenhuma palavra não é também uma forma de ser broeiro? Elegante e sóbrio, pelo menos, não é. Como vês, meu bom amigo Canotilho, todos nós somos um pouco broeiros cá por dentro. Eu, pelo menos, reconheço-o em mim. Claro que servido em exagero torna-se insuportável.

Hugo disse...

Olha ó doutor ferreira ribeiro...que bem queria eu ser futebolista...mas os genes não me ajudaram...isso e uma dourada carreira académica à minha espera :)

Daniela Ramalho disse...

doutor ferreira ribeiro está muitas vezes pelo futebol, que eu mesma já vi, sempre com um cantinho de inveja no seu olhar :P

Enviar um comentário