quinta-feira, 2 de julho de 2009

eureka

A minha ideia começou por ser uma brincadeira. Mas, breves minutos depois, já não me parecia descabida. Na era da especialização, devia haver jus-dicionaristas, ainda que em part-time. Ao que sei, não há nenhum dicionário, melhor dizendo, não há substancialmente nenhum dicionário (parto de uma ideia comum de dicionário, não mais) de expressões jurídicas. E devia haver! Para ter palavras como "valuta" e, na entrada respectiva, derivações como "valutária" e compostos (? não sei se estou a ser rigoroso) como "relação de valuta". Juntando palavra latinas, latinizadas, alemãs (não era bom, para quem não sabe alemão, poder ir à procura de Tabstand?), françesas, italianas (rapporto), neologismos...
Seria um dicionário útil e recheado de coisas engraçadas (bem como uma nova fonte para o alea jacta est do Ari), como a origem do nullum crimen nulla poena sine lege.
Adenda 1: Entretanto, chegou-me, muito gentilmente, esta informação. Pelo menos nominalmente, destrói parte do meu texto.
Adenda 2: Dicionários como o Dicionário Jurídico da Administração Pública não são bem aquilo que pretendo referir. Eu queria um daqueles de uma palavra e cinco palavrinhas à frente a dizer, cruamente, o que aquilo quer dizer. Exemplo:
"dominus negotii": dono do negócio (Gestão de Negócios) [sem explicar o que é a GdN] [ou]
"dominus": senhor. v. tb -» dominus negotii.
Adenda 3: Dão-se por abandonadas as linhas prévias que, todavia, se mantêm, por terem sido publicadas. E, doravante, serei um fiel apoiante de traduções de coisinhas deste género para a língua lusa que já existam :)

13 comentários:

Ary disse...

Já existem dicionários jurídicos mas ainda não vi nenhum de expressões jurídicas.
Bem vistas as coisas também não há nenhum dicionário de expressões. Bem gostava de saber qual a origem de expressões como: "doido varrido", "mau maria", "põe-te a pau", "de pequenino é que se torce o pepino" ou "cor de burro quando foge".

Tiago Ramalho disse...

Eu acho que isso há. Já vi dicionários de regionalismos.
E o sentido que dás a expressões é bem amplo. Valuta: é expressão?

Ary disse...

As expressões idiomáticas têm muita piada:

"Burro como uma porta", "fino como um alho", "bater a bota", "fazer tijolo", "baixar a bola", "lavar roupa suja", "onde o judas perdeu as botas", "cascos de rolha", "perder as estribeiras", "pôr os pontos nos ís", "dor de cotovelo", "fazer de vela", "dor de corno", "trocar alhos por bogalhos", "olhos de carneiro mal morto", "ter macaquinhos no sotão", "ter esqueletos no armário", "ir de cavalo para burro", "amarrar o burro", "estar de trombas", "ter um grão na asa", "barata tonta", "elefante branco", "galinha dos ovos de ouro", "a dar com pau", "conto do vigário", "amigo da onça", "amigo do alheio", "amigo de Peniche", "dar nas nuvens", "cabeça no ar", "ao deus dará", "armar a tenda", "fazer o ninho", "fazer a cabeça", "armado até aos dentes", "até vir o homem da fava rica", "dia de São Nunca à tarde", "lamber as botas", "dar graxa", "bode expiatório", "com a boca na botija", "boca no trombone", "dar bola", "dar corda ao sapatinho", "dar com a língua nos dentes", "para dar e vender", "dar uma mãozinha", "estender a mão", "uma mão lava a outra", "lavar as mãos", "encher chouriços", "estar pelos cabelos", "partir a louça", "levar água no bico", "estar pelo biquinho", "meter o rabo entre as pernas", "dar troco", "pegar o touro pelos cornos", "pegar de empurrão", "pisar o risco", "andar na linha", "pata na poça", "pé na argola", "soltar a franga", "tirar o cavalo da chuva", "trocar os pés pelas mãos", "mãos de aranha", "mãos de manteiga", "trocar por miúdos", "tempestade num copo de água", "pedra no sapato", "telhados de vidro", "apanhar a p*ta", "fazer o conto", "ir na cantiga", "coração na boca", "coração apertado", "coração nas mãos", "aproveitar a boleia", "ir de carrinho", "cartas na mesa", "do arco da velha", "não lembrar ao diabo", "balde de água fria", "chatear o Camões", "ir ver se chove", "ir dar uma volta", "ir dar uma curva", "dar uma tampa", "cortar as vazas", "pés de barro", "dois pés esquerdos", "pés de chumbo", "garganta de ouro", "olho de lince", "fresco como uma alface", "claro como água", "chorar como uma Madalena", "ser um Cristo", "chorar sobre leite derramado", "pôr o carro à frente dos bois", "ir ver se eu estou lá fora", "corda ao pescoço", "faca e o queijo na mão", "perna às costas", "uma aqui e a outra em Santarém", "luz verde", "carta branca", "de olhos fechados", "engolir sapos", "estar de mãos a abanar", "estar com os azeites", "ser de luas", "estar-se nas tintas", "escostar a roupa ao pêlo", "comer sopa de urso", "fazer farinha", "estar feito ao bife", "ouvidos de mercador", "vista grossa", "negócio da china", "gato por lebre", "ir aos arames", "ir à bola", "muitos anos a virar frandos", "muitos anos de circo", "dar luvas", "chapada de luva branca", "gato comeu a língua", "pão, pão, queijo, queijo", "ouro sobre azul", "pentear macacos", "morte da bezerra" ...

Anónimo disse...

O dicionário da Ana Prata é bastante bom. É caro mas será útil por muito tempo.
Cumprimentos,
Ricardo

Ary disse...

Estou sempre a lembrar-me de mais:

Corda bamba, fio da navalha, arrastar a asa, sombra da bananeira, chover a cântaros, cabeça-dura, testa de ferro, lenha para a fogueira, colocar a mão no fogo, pés de lã, panhinhos quentes, falinhas mansas, pratos limpos, mão na massa, calças na mão, pulga atrás da orelha, brincar com o fogo, ir catar-se, ir dar uma volta ao bilhar grande, de mão beijada, beijar as mãos, descobrir a pólvora, a ver navios, cantar o hino, mudar da água para o vinho, bater no ceguinho, como peixe na água, passas do Algarve, ver-se grego, agulha no palheiro, cortar na casaca, ter sangue-azul, zé-ninguém, dar a volta por cima, estar na tanga, ter lata, ter cara, dar a cara, pôr água na fervura, azedar a conversa, acertas na moche, advogado do diabo, dois dedos de testa, duas de letra, ir ao sítio, cheirar mal, cheirar a esturro, haver gato, ir para a valeta, ir para debaixo da ponte, ir para os anjinhos, ver o sol aos quadradinhos, patinho feio, ovelha negra.

Ary disse...

Estar nas suas sete quintas!

Tiago Ramalho disse...

Tens talento, pah :)

Guilherme Silva disse...

"Beber pela caneca das fadas"

Guilherme Silva disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Ary disse...

"És um filisteu" ...

Ary disse...

O Guilherme é maroto. Eliminou um comentário bem divertido...

Guilherme Silva disse...

sim, de facto era, mas era mauzinho, e algo desajustado.
Mas sim, era divertido. :D

Canoas o mercenário disse...

Ir viver para a quinta das tabuletas

Enviar um comentário