sexta-feira, 31 de julho de 2009

O REMORSO DE BALTAZAR SERAPIÃO

DEPOIS TANTO OUVIR FALAR DE UM TAL VALTER HUGO MÃE, AO VER O LIVRO NUMA LIVRARIA A UM PREÇO CONVIDATIVO, DECIDI LEVÁ-LO PARA CASA PARA VER SE VALIA OS ELOGIOS QUE LHE TECIAM.


SEM TEMPO OU DISPOSIÇÃO PARA UM COMENTÁRIO EXAUSTIVO FICAM SÓ ALGUNS PONTOS QUE GOSTAVA DE DISCUTIR PESSOALMENTE COM ALGUMAS PESSOAS QUE LERAM O LIVRO.

SENTI-ME USADO. PARECEU-ME SER O ROMANCE APENAS UMA DESCULPA PARA NOS SENSIBILIZAR PARA DETERMINADOS TEMAS.

SENTI-ME USADO. O LIVRO MUITO POUCA HISTÓRIA TINHA. ATÉ HAVIA ALGUMAS PERSONAGENS CURIOSAS, MAS ACABO O LIVRO SEM TER PASSADO UM BOM BOCADO, SEM ME TER DIVERTIDO, SEM ME TER SENSIBILIZADO, SEM ME SENTIR QUE TENHA APRENDIDO ALGUMA COISA DE RELEVANTE.

SENTI-ME USADO. NÃO PERCEBI QUAL O PROPÓSITO DE USAR ALGUMAS LIBERDADES ESTILÍSTICAS. APRECIO O VIRTUOSISMO DA ESCRITA, MAS DISPENSO.

PS: Ainda assim seria injusto se dissesse que o livro é mau. Não é, nem dei o meu tempo por desperdiçado, mas esperava bem mais.

3 comentários:

Ary disse...

Regressado ao Porto apenas por algumas horas, parto amanhã de manhã para S. Miguel, portanto provavelmente só vou poder responder ao que aqui for escrito quando regressar.

Daniela Ramalho disse...

bom, eu não concordo contigo. acho que o livro consegue focar esses temas e ao mesmo tempo narrar uma história, fazendo-o de um modo agressivo. mas isso não prejudica a qualidade da história, nem faz perder um sentido às personagens. aliás, eu ao lê-lo até discordei bastante com os comentários da contracapa, precisamente por achar que essas questões e temáticas que o livro foca são bastante secundárias e não principais como é mencionado nesses comentários.

Pedro disse...

Foi por isso que só escreveste com maiúsculas?

Enviar um comentário